Embora a osteoporose seja uma doença que todo mundo tem conhecimento, dificilmente alguém toma consciência da sua gravidade ainda na juventude. Na prática, é raro conhecer alguém que se previna hoje dos impactos dessa diminuição de massa óssea, comuns na terceira idade. Sendo que muito desse problema pode ser evitado com uma alimentação focada no abastecimento de nutrientes essenciais combinados com a prática de exercício físico.

Segundo a nutricionista Carol Chambel, ao contrário da crença popular, esta condição não é exclusiva de idades mais avançadas e pode surgir até mesmo a partir dos 30 anos. “Por isso, não deixe que falte no dia a dia nutrientes como o cálcio, fundamental na construção de ossos densos e fortes nos primeiros anos de vida, na adolescência e na manutenção de ossos saudáveis na idade adulta e na velhice. Sendo assim, o consumo de leite e produtos derivados dele constitui a melhor forma de obtenção do nutriente através da alimentação”, pontua. Ela ainda diz que outras fontes incluem alguns vegetais de folhas verdes, como brócolis, couve e quiabo, além de sardinhas enlatadas com espinhas, sementes e frutos secos, como amêndoas, nozes e gergelim.

Numa espécie de “combo do bem”, também não pode faltar a vitamina D. “Que assume um papel primordial na manutenção dos níveis sanguíneos de cálcio e fósforo, tão necessários para a mineralização dos ossos e contracção muscular”, completa a especialista. Aqui, vale lembrar que essa vitamina pode ser sintetizada pela pele quando exposta à luz do sol, pelo menos dez minutos ao dia. De acordo com o diretor médico para América Latina da Pfizer Consumer Healthcare, Luiz Henrique S. Fernandes, “como nem sempre é possível consumir a quantidade suficiente de produtos lácteos ou absorver tudo o que se consome, a suplementação de cálcio e vitamina D deve ser avaliada e pode ser recomendada para a prevenção e tratamento da osteoporose em muitos casos”, diz.

Pouca gente sabe, mas a vitamina K é outro aporte indispensável. Ela pode contribuir para a diminuição da densidade mineral, que aumenta o risco de fraturas nos idosos. Boas fontes também são vegetais de folhas verdes, como alface, couves e espinafres. “Grande parte dos idosos podem apresentar deficiência nesta vitamina, principalmente porque o seu consumo de vegetais é reduzido e também devido à utilização de fármacos que interferem na sua absorção”, completa Carol Chambel. A lista contra a osteoporose ainda inclui o magnésio, presente em vegetais de folhas verdes, leguminosas, sementes, cereais integrais e peixes. Além do zinco, útil no funcionamento da enzima fosfatase alcalina, necessária para a mineralização óssea, rica nas carnes. Para completar, os profissionais de saúde são unânimes em relação à prática de exercícios, que ajuda a fortalecer os ossos contra traumas e cargas do dia a dia.

Fonte: Folha de Pernambuco