Os atendimentos de nefrologia foram suspensos no Hospital Regional de Rondonópolis, a 218 km de Cuiabá, por falta de insumos.

Outros serviços, como atendimentos ambulatoriais e eletivos, que são as consultas ou cirurgias com data e hora marcadas, já estão suspensos desde o dia 8 de outubro, quando os médicos paralisaram por falta de repasses nos salários.

O Instituto Gerir informou que assim que receber os R$ 5,4 milhões, referente ao mês de setembro, vai regularizar o pagamento de médicos e funcionários. Com relação aos pacientes de hemodiálise, o instituto afirmou que o hospital tem medicamento suficiente para atender os pacientes internados.

Para novos pacientes, os insumos já foram comprados e devem chegar na próxima semana. A Secretaria Estadual de Saúde que disse que ainda não foi comunicada sobre a situação do setor de nefrologia e assim que for irá mandar uma equipe para fiscalizar e acompanhar a situação.

Uma mulher que prefere não se identificar acompanha o marido que está internado na UTI. Ele precisa fazer exames diariamente, mas não está conseguindo. Segundo ela, a médica disse que não tinha insumo e que precisou pagar pelo exame.

Uma funcionária, que não quis se identificar, se diz indignada depois da emissão de um documento na sexta-feira (30) pelo setor de nefrologia, comunicando a suspensão de atendimentos por falta de insumos pra realização de hemodiálise.

O documento também diz que todo o serviço de nefrologia deve ser suspenso e os pacientes que estão internados devem ser transferidos para outras unidades.

Em Rondonópolis, apenas a Santa Casa teria condições de receber esses pacientes, se tiver vagas, ou então, as pessoas que precisam desse atendimento deverão ser encaminhadas para Cuiabá.

Fonte: Assessoria de Comunicação do Sindicato dos Médicos do Mato Grosso (Sindimed-MT)