Os médicos do Recife vivem um pesadelo diário nas unidades de saúde da cidade. As estruturas são precárias; faltam medicamentos; a insegurança é generalizada, amedrontando profissionais e pacientes. Como se não bastasse isso, um grave déficit é registrado nas escalas médicas de toda a rede, ou seja, a demanda é muito maior do que o número de servidores. Além disso, é preciso valorização da categoria.

Por esses problemas, que se somaram à falta de medidas concretas por parte da Secretaria Municipal de Saúde, os Médicos do Recife estão em greve há mais de 40 dias. Para uma categoria que sempre trabalha lado a lado com o povo, esse tempo trata-se de uma eternidade. Não existem condições de retorno aos postos de trabalho, pois a grande parte deles está do mesmo jeito. Foram diversas tentativas de negociação com a secretaria municipal com um único objetivo: o cumprimento do Termo de Compromisso proposto e firmado pela própria PCR, em janeiro deste ano. Nada feito! Nem se honrou o acordo prometido e pior: portas fechadas para o diálogo franco, com proposta efetiva e viável para solução do caos da rede.

Com isso, infelizmente, os profissionais médicos seguem unidos, fortes, com o apoio da população, firmes na luta. A categoria entende que a falta de diálogo nos impele a seguir adiante com o movimento grevista e solicitar, nesta carta aberta, uma audiência com o Prefeito da Cidade do Recife, pelo povo. Não podemos mais esperar.

A população está sofrendo.