A situação da assistência pediátrica no Hospital Barão de Lucena, zona oeste da cidade, está inviável. Faltam insumos básicos, medicamentos e médicos para a assistência pediátrica, gerando deficit na escala; além da insegurança que rodeia os profissionais. Estes foram os pontos discutidos na tarde desta segunda-feira (05/03), na sede do Conselho Regional de Medicina, por pediatras do serviço, e representantes do Simepe e do Cremepe.

A situação foi denunciada e vem sendo acompanhada de perto pelo Sindicato dos Médicos, que solicitou a reunião do Cremepe. O corpo clínico presente na reunião ainda pontuou problemas de grande demanda falta de insumos básicos e medicamentos como amoxicilina.

Durante o encontro, ficou acertado que a situação será levada ao Ministério Público de Pernambuco e à gestão do Governo do Estado por meio do Conselho Regional de Medicina. Por fim, foi encaminhado que além da reunião com o MPPE, o Simepe se reunirá com a gestão do hospital e o Cremepe fiscalizará a unidade. A vistoria será baseada na Resolução CFM Nº 2077 e todas as irregularidades serão encaminhadas à gestão para providências imediatas.

“Temos que envolver vários entes nesta resolução. Não podemos deixar o ônus dessa situação para os usuários e os médicos que estão na ponta do serviço”, destaca o presidente do Simepe, Tadeu Calheiros.

Fonte: Assessoria de Comunicação do Simepe / Assessoria de Comunicação do Cremepe