Curso de Atualização em Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus – domingo 19/05

Teve prosseguimento na manhã deste domingo (19/05), o Curso de Atualização em Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus, realizado pelo Sindicato dos Médicos (Simepe) e Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), com o apoio do Conselho Regional de Medicina (Cremepe), da Associação Médica de Pernambuco (AMPE), Sociedade Brasileira de Cardiologia em Pernambuco (SBC-PE), Prefeitura do Recife (PCR) e Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia no Estado (SBEM).auditório professor Fernando Viana do Procape.

A aula foi com o professor Audes Magalhães, presidente eleito do da Sociedade Brasileira de Cardiologia de Pernambuco (SBC-PE que abordou o tema: Hipertensão Arterial Sistêmica, fatores de risco, causas, sintomas. Consequências, tratamentos. Informações, conhecimentos e experiências foram discutidas para um público formado por mais de 60 médicos e médicas vinculados ao programa de Estratégia de Saúde da Família da Prefeitura do Recife.

2

Segundo ele, o diagnóstico e o acompanhamento do hipertenso são fundamentais. 30% da população é hipertensa, muita gente tendo derrame cerebral, infarto e insuficiência cardíaca. “Um simples diagnóstico e controle adequado vai diminuir muito essas doenças tão graves. O Sindicato está de parabéns por essa iniciativa de ensino continuado para os profissionais médicos”, ressaltou.

Segundo a Sociedade Brasileira de Hipertensão, a pressão alta acomete uma em cada quatro pessoas adultas no Brasil e está presente em torno de 5% das crianças brasileiras. Após os 60 anos de idade, estima-se que mais de 50% da população do país tenha pressão alta. Ela é responsável por 40% dos casos de infarto, 80% de derrames e 25% de insuficiência renal terminal. A hipertensão atinge o coração, os rins, o cérebro e os vasos sanguíneos. Os vasos são recobertos internamente por uma fina camada que pode ser machucada quando o sangue circula com pressão elevada. Em longo prazo, isso pode ocasionar o endurecimento, estreitamento, entupimento e até o rompimento deles.

No horário da tarde, o professor Fábio Moura, médico endocrinologista do Oswaldo Cruz, conversou sobre sobre diagnóstico, casos clínicos e tratamentos para combater a Diabetes Mellitus. De forma bastante objetiva e propositivo, o professor impulsionou a discussão junto aos profissionais presentes.

A versão mais comum do Diabetes Mellitus está ligada aos hábitos de vida (obesidade, sedentarismo, alimentação inadequada). Além disso, é caracterizado pelo excesso crônico de açúcar no sangue, o que desencadeia uma série de complicações, de infarto a perda de visão. Mas, nesse cenário, a causa da glicemia alta decorre de um fenômeno conhecido como resistência à insulina. E os sintomas só aparecem anos depois da instalação da doença.

Na avaliação do professor e médico Fábio Moura, essas doenças crônicas não transmissíveis, nominalmente: obesidade, hipertensão e diabetes, contribuem para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares, câncer, sendo a principal causa de morte, e não só de morte, de piora de qualidade de vida, de complicações como cegueira e hemodiálise no mundo ocidental. “É obrigatório, é dever do médico conhecer, identificar e tentar contribuir, de alguma forma, para o tratamento dessas condições. Portanto, essa iniciativa foi muito bem-vinda e espero que tenham mais”, enfatizou.

10

Na opinião do diretor executivo do Simepe, Fernando Junior, o curso foi importantíssimo, porque primeiro abordou duas doenças crônicas mais prevalentes na população brasileira e mundial; depois porque a abordagem correta e consequentemente o tratamento correto vai impactar no final em menos hospitalizações e menos mortes. “ O diferencial é que o curso realizado pelo Simepe, escalou especialistas (cardiologistas e endocrinologistas) de excelência que apresentaram seus conteúdos balizados nas mais validadas e confiáveis referências das especialidades”, acentuou.

A diretora executiva do Simepe, Malu David, destacou que foi um curso muito relevante para quem participou, porque se atualizar em Hipertensão Arterial e Diabetes Mellitus é sempre bom, principalmente, para os médicos da Estratégia de Saúde da Família (ESF), da Atenção Primária. Na verdade, eles receberam aulas com uma gama de informações e conhecimentos valiosos. O curso foi de qualidade, com excelente conteúdo, através de professores de alto nível. O Sindicato agradece aos médicos que participaram do evento, como também aos parceiros e colaboradores que ajudaram para que o evento conseguisse êxito”, salientou.