Após apresentação de denúncias na Assembleia Geral Extraordinária dos médicos de Petrolina, no Vale do São Francisco, o Sindicato dos Médicos de Pernambuco (Simepe) e o Conselho Regional de Medicina (Cremepe) realizaram, nesta quarta-feira (19/07), uma série de fiscalizações nas unidades de saúde do município. A equipe encontrou diversos problemas nos postos, como infiltrações, mofo nas paredes, cupins nas portas, torneiras e portões quebrados, salas quentes, medicamentos mal armazenados, pessoas sendo atendidas no sol, além de lixo contaminado (expurgo) em fácil acesso a quem trafega no local.

Durante o dia foram fiscalizadas quatro unidades. Entre elas, a Unidade Básica de Saúde (UBS) do Projeto N04, que sofre com problemas estruturais e alta demanda. Pior situação foi encontrada na UBS de Bebedouro – que funciona em apenas duas salas emprestadas pelo Distrito de Irrigação, pois o prédio da referida unidade sofreu desabamento do teto e que hoje está completamente abandonada.

A situação se repete na Unidade de Saúde da Família Januário Ferreira Nunes (Pedrinhas e Distrito Serrote do Urubu). Os locais não tem tem sala de espera, os consultório estão sem portas, lixo contaminado em fácil acesso ao público, falta de recepção e espaço para locomoção de cadeirantes, além de problemas estruturais como infiltrações.

O trabalho de fiscalização continua na cidade durante todo o dia, cumprindo As deliberações de AGE da categoria. A ação tem o objetivo de mostrar o quão precária está a rede de saúde do município de Petrolina com todas essas situações, além ainda dos salários defasados. Por conta disso, os médicos realizarão uma paralisação com atividades de ação de cidadania na saúde entre os dias 25 e 27 de julho.

Veja a seguir o primeiro vídeo de uma série que o Simepe produziu mostrando a situação da rede municipal de Petrolina. Nesta primeira edição, a entidade traz o abandono que assola a Unidade Básica de Saúde de Bebedouros: