A presidente do Simepe, Claudia Beatriz, o secretário-geral, Tadeu Calheiros e  os médicos plantonistas da maternidade Professor Bandeira Filho, vinculada à Prefeitura do Recife, estiveram reunidos na noite da terça-feira passada (18/02), na própria unidade de saúde da rede municipal do Recife, em Afogados, para discutir e problemas recorrentes, como por exemplo: déficit nas escalas de plantão, falta de medicações e insumos básicos – como fios cirúrgicos e até luvas, além da precariedade na estrutura física da maternidade (facilmente constatada no local), dentre outros.
Em quase duas horas de reunião, os profissionais exemplificaram ainda que clorexidina (antisséptico) só pode ser utilizado em determinados procedimentos e restrição para uso de alguns antibióticos como a gentamicina, mostrando uma falta de uniformidade na própria rede, demonstrando que além do desabastecimento, deve haver dificuldade no gerenciamento local da maternidade.
Os representantes do Simepe destacaram que se reuniram previamente com a Secretaria de Saúde do Recife sobre o déficit da escala e que obteve, de imediato, o reconhecimento do desfalque, da necessidade da recomposição e o compromisso de nomear imediatamente três obstetras e dois neonatologistas para suprir parcialmente a necessidade de recomposição da escala, além de se esforçar para nomear mais dois obstetras e dois neonatologistas, necessários para recomposição. Quanto aos outros problemas relatados pela categoria, serão listados e encaminhados para que Secretaria de Saúde do Recife tome as medidas emergenciais e necessárias. Uma nova reunião de avaliação do movimento foi marcada para o dia 24/03, às 19h, na própria Maternidade, em Afogados.