Os médicos vinculados à Prefeitura de Olinda decidiram em assembleia geral nesta segunda-feira (21), manter a paralisação por tempo indeterminado nos serviços eletivos de ambulatórios, PSF´s e na Maternidade Brites de Albuquerque, e ampliar o movimento de entrega dos pedidos de demissões ao Sindicato dos Médicos (Simepe).  Mais 20 pedidos já foram contabilizados pelo Sindicato. Além disso, eles pedem a anulação das demissões, o abono de faltas e informações sobre os contratos de trabalho.

As péssimas condições de trabalho, a má remuneração salarial, a falta de profissionais e a precariedade das unidades de saúde são as principais reivindicações dos médicos. Os médicos de Olinda voltaram a denunciar a situação de descaso e abandono em que se encontram os Serviços de Pronto Atendimento (SPA´s) do Varadouro e Peixinhos. Nesse último SPA, por exemplo, estão faltando produtos de limpeza (sabão, papel higiênico, tolhas e detergente), a ambulância está quebrada e o teto da sala dos auxiliares de enfermagem caiu ontem.

De acordo com o presidente do Simepe, Silvio Rodrigues, as negociações com as secretarias de Administração e Saúde sobre as reivindicações da categoria continuam em pauta. “Conversamos  com o secretário João Alberto no que diz respeito a carreira médica,  ao Plano de Cargos e Carreira e sobre uma proposta salarial escalonada para a categoria”, ressaltou.