Após cinco meses de impasse, os médicos da rede municipal de Olinda e a Prefeitura chegaram a uma proposta de consenso para o fim da paralisação por tempo indeterminado nos ambulatórios, Postos de Saúde da Família (PSF´s) e Maternidade Brites de Albuquerque. O fim do movimento foi decido em assembleia geral no dia 30 de junho, quando a categoria discutiu e aprovou a proposta encaminhada ao Sindicato dos Médicos (Simepe) pelo  prefeito Renildo Calheiros e o secretário da Fazenda e Administração de Olinda João Alberto Costa de Faria.De acordo  com o Simepe, os médicos retornaram ao trabalho no dia 5 de julho. O acordo foi c nsolidado, com as assinaturas de ambas as partes do Termo de Ajustamento de Conduta(TAC) no Ministério Público de Olinda (MPPE). 

Compromissos – O consenso foi construído em torno de dois eixos principais: a questão estrutural  e financeira. Com relação à primeira, a prefeitura se comprometeu a  executar mensalmente  a reforma de duas unidades do PSF, além de promover concurso público até o segundo semestre do ano que vem.

No plano financeiro, o reajuste será dado por partes. De imediato, o salário base dos médicos passará de R$ 882 para R$ 1.100, retroativo a maio. Em setembro, o vencimento passará para R$ 1.382 e até dezembro todos os concursados deverão ser incluídos no Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos (PCCV). Em relação aos médicos contratados, será concedido aumento de R$ 500,00 no salário base retroativo a maio deste ano, e de R$ 700,00 em maio de 2011. Nesta fase, incorporando o PCCV, os salários serão iguais ou superiores aos pagos no Estado e na PCR, chegando ao final da carreira em R$ 4.074,15 

Plano em 15 faixas – Segundo o diretor do Simepe, Tadeu Calheiros, a proposta  apresentada pela municipalidade foi satisfatória.  “Ficamos satisfeitos com o PCCV que nos foi apresentado.É um plano dividido em 15 faixas, onde a cada dois anos o profissional é elevado à categoria seguinte e recebe um reajuste de 6% em cima de seus vencimentos. Outro ganho importantepara a categoria foi a manutenção de todas as gratificações existentes”, explicou.  Em maio de 2011, o salário base será novamente reajustado, chegando aos R$ 1.700. 

Além disso, o escalonamento do salário terá uma nova etapa entre maio de 2011 e maio de 2012. As negociações sobre datas e valores, contudo, só serão definidas em janeiro de 2011,mas a garantia desta proposta foi um dos itens do TAC firmado no MPPE. 

Outra questão resolvida entre o Simepe e a Prefeitura diz respeito às demissões.o movimento de paralisação por tempo indeterminado, nos últimos dois meses, cerca de 30 médicos entregaram cartas ao sindicato, oficializando seus pedidos de exonerações. Osd ocumentos, no entanto, não foram entregues à Secretaria de Saúde de Olinda. “A maioria dos profissionais manifestou o interesse de retornar o trabalho após o acordo”, assegurou Tadeu Calheiros. 

A união fez a diferença – O movimento dos médicos de Olinda foi intenso e participativo. A defesa em prol da categoria e da população contou com o envolvimento de todos, através das assembleias gerais, paralisações, mobilizações, atos públicos, panfletagens, entrevistas e

denúncias em veículos de comunicação, faixas, inclusive em propaganda em autobus. Mais detalhes da tabela salarial no site do Simepe – www.simepe.org.br