O Sindicato dos Médicos de Pernambuco (Simepe), representante da categoria em todo o estado e ciente de seu papel pela Medicina do país, repudia veementemente a perseguição empreendida pela Secretaria de Saúde do Ceará contra a pediatra e neonatologista Mayra Pinheiro. A profissional, que já presidiu o Sindicato dos Médicos do Ceará, sofreu grave retaliação por parte da gestão estadual após denunciar o descaso com os pacientes no Hospital Geral de Fortaleza (HGF), que integra a rede estadual.

Em vídeo, Mayra Pinheiro mostra a precariedade e desrespeito com que a população é tratada pela gestão pública na unidade, que tem corredores lotados de pacientes. Cena lamentável e recorrente no Estado. Tanto que a própria médica, quando presidente da entidade sindical no Ceará, atuou na criação do “Corredômetro” – um levantamento que revela o número de pacientes internados nos corredores dos maiores hospitais públicos cearenses. Tal iniciativa repercutiu em todo o país como ferramenta que escancara o despreparo e desrespeito das gestões públicas com a saúde.

Após as denúncias do último vídeo publicado pela médica, material com milhares de visualizações e compartilhamentos, ao invés de tentar intervir na melhoria da situação, a Secretaria de Saúde do Ceará preferiu culpar uma inocente e informou que a profissional está impedida de exercer o seu trabalho na unidade. Uma página lamentável para toda a medicina brasileira.

O Simepe reforça seu apreço pela profissional Mayra Pinheiro, reconhece a importância da coragem para combate ao caos que saúde nacional enfrenta e reitera o pedido de esclarecimentos feito pelo Sindicato dos Médicos do Ceará. A sociedade e a categoria médica precisam de uma resposta. Não compactuamos com ações que empreendem medo, retaliação e descaso com a saúde.