Déficit de profissionais na escala de plantão e superlotação da emergência. Essas são as principais reclamações dos médicos que atuam na Emergência Clínica do Hospital Otávio de Freitas (HOF), no Recife, que  participaram nesta quarta-feira (04/09) de Assembleia Geral (AGE), coordenada pela presidente do Simepe, Cláudia Beatriz.  A reunião contou com as participações do vice- presidente, Walber Steffano, dos diretores executivos Mário Jorge e Rodrigo Rosas,  e do advogado Ricardo Santos, da Defensoria Médica do Simepe.
Durante a AGE, eles discutiram a necessidade de priorizar e recompor a escala de plantão, hoje para completar as escala da clínica médica são necessários cerca de 20 médicos plantonistas e 5 evolucionistas. Os problemas e as demandas são gritantes na emergência clínica do hospital. Os médicos demonstraram insatisfação com a falta de condições de trabalho, onde os corredores, salas vermelha e amarela ficam  superlotados de pacientes no dia a dia.
Ao final da reunião, a categoria foi unânime no pedido imediato de completar as escala de plantão da clínica médica e  deliberaram que ao final de 30 dias os clínicos não farão mais a evolução da emergência, o fato será noticiado mediante ofícios ao Cremepe, Secretaria Estadual de Saúde (SES) e a direção do Otávio Freitas, solicitando providências para solucionar os problemas relatados, principalmente, a recomposição da escala de plantão.  Uma nova AGE foi marcada para o dia 09/10, às 19h, na sede do Simepe.