Na manhã desta terça-feira (07), a diretoria do Sindicato dos Médicos de Pernambuco (Simepe), concedeu entrevista coletiva para anunciar medidas tomadas contra a Prefeitura de Camaragibe, através do departamento jurídico da entidade médica.

Na ocasião, foi anunciado que serão encaminhadas todas as denúncias de irregularidades da gestão municipal nas esferas trabalhista, administrativa e ética aos órgãos competentes em níveis estadual e federal. O Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe) também será acionado para fiscalizar as unidades de saúde.

Foram mais de 12 meses de negociações em busca de soluções para os graves problemas da saúde no município. Durante esse processo, o prefeito de Camaragibe, João Lemos, se fez presente em apenas três reuniões, os demais encontros ocorreram com secretários municipais, dificultando qualquer tipo de avanço nas negociações.

“Antes a situação era difícil; Hoje é insustentável: mais de 30 médicos pediram exoneração de seus cargos”, revelou o diretor do Simepe, Fernando Cabral.

Ainda de acordo com o diretor, a categoria está reunindo indícios de irregularidades na rede pública de saúde do município, e caso seja constatado improbidade administrativa acionará também o Tribunal de Contas do Estado (TCE).

Médico concursado há mais de 14 anos no município, Ronaldo Dantas, também participou da coletiva e lamentou o desfecho do Movimento de valorização dos Médicos de Camaragibe. Segundo ele, o prefeito não resolveu nem as questões salariais, nem o sucateamento das unidades de saúde e ambulâncias. “Lutávamos por salários dignos e por uma saúde de qualidade para a população”, desabafou.