Insatisfação. Esse é o sentimento que move o Sindicato dos Médicos de Pernambuco (Simepe) e os médicos que trabalham na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Gregório Bezerra, localizada na Cidade Tabajara, em Olinda. Na manhã desta terça-feira (21/01), a categoria e a entidade médica realizaram um protesto para chamar a atenção da população contra a ameaça de redução de quadro profissional que a direção da UPA que impor naquela unidade de saúde. Os médicos plantonistas exibiram faixa, cartazes e distribuíram carta aberta à população, onde informam que mesmo com o grande volume de pacientes, que trará maior demora para o atendimento e piorar ainda mais o acesso da população aos serviços de urgência.

O diretor executivo do Simepe, Fernando Junior, destacou que a Fundação Professor Martiniano Fernandes (IMIP Hospitalar), responsável pela administração da UPA Olinda, decidiu por conta própria reduzir o número de médicos e, além do mais, obriga os médicos plantonistas a se ausentarem do plantão para realizar transferência de pacientes, uma vez o serviço não conta com um médico específico para acompanhar esse procedimento, diminuindo ainda mais o número de médicos na unidade e trazendo maiores riscos à saúde da população.

A categoria deliberou por uma nova reunião na próxima quinta-feira (23/01), às 17h, na sede do Simepe e decidiu ainda intensificar a mobilização, com informações e esclarecimento junto aos pacientes e moradores das áreas circunvizinhas a unidade.