Os médicos que atendem ao Hospital e Maternidade Petronila Campos, localizado em São Lourenço da Mata, se reuniram em Assembleia Geral Extraordinária (AGE) na noite desta quarta-feira (13/03) com o diretor executivo do Sindicato dos Médicos de Pernambuco (Simepe), Eraldo Arraes, e o advogado da Defensoria Médica, Diego Galdino, na sede do Sindicato. Atraso salarial, condições de trabalho, falta de medicamentos e insumos, escalas de plantões incompletas e questões éticas foram discutidas durante o encontro.

Insatisfeitos, os médicos procuraram o Sindicato há alguns meses para relatar as condições de atuação nesta unidade de saúde. Eles pontuaram a dificuldade de diálogo com os gestores, a neonatologia com grande defasagem de profissionais médicos, além de outras áreas, demissões, direitos trabalhistas, entre outros pontos importantes que afetam a atuação da categoria. Também foi notificada a dificuldade de atendimento por falta de medicamentos e insumos, sendo necessário, às vezes, a restrição do plantão pela impossibilidade de prestar a devida assistência aos pacientes que procuram a unidade.

O Simepe enviou ofício para a Secretaria de Saúde do município solicitando uma explicação sobre o atraso do pagamento do 13º salário, mas não houve respostas. O Ministério Público de Pernambuco (MPPE) também foi acionado para resolver essas questões.

Algumas das demandas relatadas serão comunicadas ao Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe) para que tome as devidas providências necessárias. O diretor executivo, junto com o advogado, orientaram os médicos presentes a comunicar aos outros profissionais da área para procurarem o Simepe e apresentarem suas demandas em relação à unidade.