O Centro de Saúde Professor Monteiro de Morais, localizado no bairro de Beberibe, foi a unidade de saúde da Prefeitura da Cidade do Recife (PCR) escolhida pelo Sindicato dos Médicos de Pernambuco (Simepe) e os Médicos da Rede Municipal de Saúde do Recife para fiscalizar na manhã desta terça-feira (30/10). A ação faz parte das mobilizações realizadas pela categoria, que está em greve por tempo indeterminado, como uma forma de mostrar as precariedades da saúde municipal.

Neste Centro de saúde encontramos uma série de irregularidades, como na maioria das outras unidades de saúde do Recife, visitadas anteriormente pelo Simepe. Antes mesmo de entrar no local, identificamos nos dois estacionamentos, localizados ao lado da unidade, o total abandono, com buracos na parede da estrutura do prédio; com lixo por todo lado, exalando mau cheiro; água parada, com sinais de dejetos; e o mato crescido, tornando-se um local propenso para reprodução de vetores e insetos causadores de doenças.

Dentro da unidade, nos deparamos com portas e fechaduras quebradas – inclusive as do banheiro feminino e masculino; rachaduras no teto; sala de curativo sem funcionar; ventilação natural inadequada, ventiladores quebrados e outros apenas com o local de encaixe na parede para os mesmos, fazendo com que os pacientes que aguardam medicamentos ou atendimentos usem papéis ou a própria receita para se abanarem; uma longa fila de espera para o atendimento na farmácia e uma sala de espera sem espaço suficiente para o público aguardar sentado.

“Como vamos falar de promoção e prevenção à saúde para um paciente que frequenta esse tipo de unidade de saúde? O que vemos é o abandono da Prefeitura, que fecha os olhos para a saúde municipal. Nós, médicos, estamos lutando por condições de trabalho para a categoria, como também de atendimento, para que o paciente possa ser bem assistido pela equipe de saúde”, destaca a vice-presidente do Simepe, Claudia Beatriz.

Com foco na segurança e requalificação das unidades de saúde, abastecimento de medicamentos e insumos, reajuste das escalas médicas e cumprimento do Termo de Compromisso firmado com a gestão em janeiro deste ano, os médicos do Recife estão em greve há 39 dias.

A categoria se reúne em Assembleia Geral Extraordinária (AGE) nesta quarta-feira (31/10), às 9h, na Associação Médica de Pernambuco (AMPE), para decidir os rumos do movimento grevista.

44998319_250616495617801_4322393359424421888_n 44999828_181761409421634_1000547910464569344_n 45015751_202177734010164_7651861812693958656_n 45037150_323650878458805_5614754164161642496_n 45041884_178087966459214_5663447874843705344_n 45044525_560713437685823_5984503642361692160_n 45081509_342926836515693_8824161999286960128_n 45093861_179399976256362_8729954520169185280_n 45130412_2214670755483275_675097059962912768_n 45142609_321627158625599_6773575746947383296_n 45173238_177473879846826_8699582242323693568_n 45204267_497676977410974_1226144254552702976_n