A Rede de Saúde Mental de Pernambuco foi tema da reunião desta terça-feira (05/02) entre o presidente do Sindicato dos Médicos de Pernambuco (Simepe), Tadeu Calheiros, o secretário de Saúde do Estado, André Longo, a diretora executiva do Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe), Milena França, a presidente da Associação Médica de Pernambuco (AMPE), Helena Carneiro Leão, a secretária-executiva de Atenção à Saúde, Cristina Mota, a presidente da Sociedade Pernambucana de Psiquiatria (SPP), Kátia Petribú, o presidente da Associação Psiquiátrica da América Latina (APAL) e diretor da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), Antônio Geraldo da Silva, o secretário nacional de Cuidados e Prevenção às Drogas do Ministério da Cidadania, Quirino Cordeiro Júnior, e outros representantes. Com o objetivo de melhorar a assistência psiquiátrica para população, os integrantes apresentaram informações e ideias visando alcançar um novo cenário para esta rede, que atualmente encontra-se sucateada.

Na ocasião, os médicos presentes relataram as condições precárias das unidades da Rede de Saúde Mental que atuam, além da demora para os pacientes conseguirem atendimento – com média de espera de 9 meses para consulta ambulatorial.

“A diretoria do Simepe fiscalizou alguns CAPS do Recife nos anos anteriores e a situação é precária. Faltam medicamentos, leitos e infraestrutura adequada nessas unidades. Viemos aqui apresentar a situação e, juntos, melhorarmos essas condições e prestar a devida assistência para toda a população que necessita de atendimento psiquiátrico”, destaca o presidente do Simepe, Tadeu Calheiros.

Os representantes das Entidades Médicas montaram um grupo de trabalho para dar continuidade às reuniões, buscando melhorias e garantias de acesso à saúde de qualidade para os pacientes que sofrem com transtornos mentais.

02