Aumenta o grau de insatisfação dos médicos vinculados à Prefeitura do Recife, uma vez que a gestão municipal decidiu punir os profissionais com descontos nos dias de paralisação. Com isso, os médicos da rede municipal de saúde aprovaram em Assembleia Geral (AGE), na tarde desta terça-feira (24/10), no auditório da Associação Médica de Pernambuco (AMPE), na Boa Vista,  a continuação do movimento. Serão realizadas novas paralisações quinzenais, dos serviços eletivos, ambulatoriais e PSFs, nos próximos dias 07 e 08 de novembro, repetindo-se nos dias 21 e 22, caso a situação não se resolva em Mesa de Negociação.

De acordo com o presidente do Simepe, Tadeu Calheiros, as negociações até o momento não apresentaram significativos avanços, no entanto, os gestores seguiram no sentido contrário neste processo, ou seja, com retaliações e pressões. “A Prefeitura do Recife usou de uma maneira equivocada de intimidação, com descontos ilegais, prejudicando os médicos em gozo de férias, os de licença, bem como os aposentados. O  intuito foi barrar o movimento de paralisação da categoria. Nessas horas estamos unidos ainda mais e não aceitamos essa determinação  ”, ressaltou.

Tadeu Calheiros salientou, ainda, que os médicos  se mantém abertos ao diálogo e querem uma audiência com o prefeito Geraldo Júlio, por entender que esgotaram-se as negociações junto aos representantes da Secretaria de Saúde do Recife.

Vale frisar que os médicos estão em mobilização há meses, período na qual foram dados vários prazos à gestão municipal, que não conseguiu apresentar uma proposta efetiva que atendesse às necessidades da rede de saúde. “ Os profissionais  cobram mais investimentos, condições de trabalho, medicamentos, enfim, que haja um olhar mais cuidadoso por parte da Prefeitura do Recife. A população, sem dúvida alguma, merece uma saúde melhor”, pontuou Calheiros.

*Nova AGE: 23/11/17, às 19h, no auditório do Conselho Regional de Medicina (Cremepe), no bairro do Espinheiro/Recife.