Após denúncias, o Sindicato dos Médicos realizou uma nova fiscalização, agora na Unidade de Saúde de Santana, localizada na zona norte do Recife, e constatou diversos problemas. Devido a deficiências estruturais que já vinham sendo acumuladas com o tempo e a falta de manutenção, aliadas ao início do período chuvoso, os serviços ambulatoriais precisaram ser suspendidos e o mais agravante: os prontuários dos pacientes estão quase todos danificados. A vistoria foi realizada pelo presidente da entidade, Tadeu Calheiros; pela vice Claudia Beatriz; e pelo diretor executivo Marcus Villander.

Durante a fiscalização, o corpo médico explicou ao Simepe que os problemas se intensificaram desde o dia 11 de abril, quando – em decorrência da chuva – as atividades ambulatoriais precisaram ser suspensas. A equipe passou ainda um tempo frequentando a unidade, mas como existia um risco eminente de vazamento de correntes, que poderiam gerar choques elétricos, os profissionais interromperam todos os serviços do local, realizando na sequência apenas visitas domicialiares.

Com os serviços suspensos, a equipe explicou que a Prefeitura do Recife viabilizou o conserto do telhado, que era o principal problema da unidade, aliado a chuva do período. No entanto, o que já estava em um panorama complicado ficou completamente caótico após um descuido nos trabalhos de reforma – que deixaram o teto descoberto e, com as chuvas do fim de semana, todos os prontuários, equipamentos e uma parte dos materiais foram completamente perdidos. No local, salvou-se apenas o que já havia sido transferido para a Casa dos Humildes – abrigo que está apoiando os profissionais neste momento.

“Foi uma tristeza muito grande chegar na segunda-feira e a cadeira da odontologia, os equipamentos, as portas, os materiais formativos, impressões e livros, todos danificados por causa da chuva. A gente não tem ainda a previsão de quando vamos voltar para a nossa unidade”, lamenta a médica da unidade, Lara Ximenes, ressaltando ainda que, pelo menos três unidades do Distrito 3 estão em uma situação caótica – citando a própria posto de Santana, o da União das Vilas, no Espinheiro; além da unidade do Poço da Panela.

1494625079509878

PSF no Alto do Eucalipto, bairro do Vasco da Gama, também sofre com problemas estruturais

Vale ressaltar que, durante a fiscalização do Simepe, profissionais estavam realizando os trabalhos de reforma na unidade, que ainda não tem data prevista para reiniciar as atividades, segundo as informações repassadas para a equipe até o momento. No vídeo a seguir, Lara Ximenes fala ainda sobre essa a perspectiva de retorno para a unidade, além de explicar como os trabalhos de saúde estão funcionando no momento.

Outro problema decorrente da situação é o desvio de função dos profissionais. Há dois dias consecutivos, a médica e a enfermeira da equipe, dois residentes, e demais profissionais da unidade estão trabalhando no processo de “secagem” das folhas utilizando secadores de cabelo. Lara Ximenes explicou ainda que uma estudante de medicina da Universidade de Pernambuco precisou ser “devolvida”, pois na atual situação da unidade ela não teria oportunidade de aprendizado.

Diante de situações como esta, aliada as denúncias constantemente recebidas no Sindicato e a decisão majoritária da última AGE dos médicos do Recife, o Simepe realizará uma série de vídeos que vão mostrar a dura realidade dos profissionais de saúde na capital pernambucana. “A estratégia do improviso” tem como intuito retratar as dificuldades do SUS que temos e reforçar o SUS que queremos, sensibilizando as autoridades políticas para as necessidades latentes e bem como chamar a atenção para a otimização e ampliação dos recursos imprescindíveis para a área da saúde.