Em continuidade a audiência pública do dia 20 de março, as promotoras de Justiça do Ministério Público (MPPE), Ivana Botelho e Helena Capela, reuniram na tarde desta segunda-feira (09/04) com representantes do Sindicato dos Médicos (Simepe), do Conselho Regional de Medicina (Cremepe),  plantonistas pediátricas do Hospital Barão de Lucena (HBL), Central de Regulação de leitos, Secretaria Executiva de saúde do Estado, e diretoria do hospital. As entidades e as médicas cobraram providências e agilidade em relação à falta de recursos humanos, por conta do déficit nas escalas de plantão, sobrecarga de trabalho, superlotação de pacientes, insegurança na emergência e sala de repouso, como também a falta de medicamentos, insumos e de exames complementares. O encontro durou aproximadamente duas horas e foi realizado na seda do MPPE, em Santo Amaro/Recife.

Ao término da reunião, o diretor executivo do Simepe, Marcus Villander, disse que concretamente ficaram preocupações, uma vez que os gestores da saúde do Estado não apresentaram respostas satisfatórias às reivindicações das entidades e médicas pediatras. “Na prática, alguns problemas ficaram pendentes. Outros com soluções a longo prazo. Hoje, o HBL tem poucas perspectivas imediatas em relação às questões levantadas. Mesmo assim, vamos continuar fazendo nosso trabalho, cobrando e pressionando os gestores públicos, no sentido de garantir qualidade do trabalho dos médicos e da assistência a população”, enfatizou.

Foram discutidas e aprovadas as seguintes deliberações:

Envio de oficio à Secretaria da Casa Civil para que informe sobre a assinatura do decreto autorizativo, através do governador Paulo Câmara, referente à realização de seleção simplificada para contratação de 139 profissionais médicos; apresentação de planilha, através da SEAF, contendo programação de pagamento aos fornecedores de medicamentos e insumos do HBL; a direção do HBL fará uma avaliação da possibilidade de colocação de grade na estrada da emergência pediátrica, visando garantir a segurança, no prazo de 20 dias; o HBL vai avaliar também a viabilidade de garantir assistência de fisioterapia na emergência pediátrica e nos plantões, até  a conclusão de concurso público e efetiva nomeação dos profissionais necessários para compor as  equipes de todos os plantões; as secretarias de Saúde e Administração encaminharão, no prazo de 30 dias, ao MPPE, estudos mais detalhados, considerando os exemplos dados por médicas presentes a audiência, bem como os dados levantados e os serviços constantes da rede de saúde, referente à decisão de manter ou não a emergência pediátrica do HBL como não referenciada.

Foto: Chico Carlos/ Exclusivo/Simepe