Os médicos da rede municipal do Recife  deliberaram, por unanimidade, pela greve por tempo indeterminado.  A decisão foi tomada no final da manhã desta sexta-feira (12) em Assembleia Geral Extraordinária (AGE), no auditório da Associação Médica de Pernambuco (AMPE). Com isso, todos os serviços eletivos, de PFS, CAPs e ambulatórios estarão suspensos, funcionando apenas urgência, emergência e maternidades, a partir da próxima quinta-feira (18/01), após cumprimento do prazo legal de 72 horas e comunicação à Prefeitura do Recife.

O presidente do Sindicato dos Médicos de Pernambuco (Simepe), Tadeu Calheiros, reforçou na reunião que foram inúmeras as tentativas de diálogo da entidade com a gestão municipal, que não apresentou propostas efetivas que atendessem aos pleitos dos profissionais. Há quase um ano o sindicato vem tentando negociar com a prefeitura, até chegar à decisão de paralisar as atividades médicas por tempo indeterminado.

A vice-presidente do Simepe, Cláudia Beatriz Andrade, destacou a união da categoria neste momento de luta por uma condição justa e digna de trabalho. “Esta decisão só reflete a força dos médicos, principalmente quando contamos também com o apoio irrestrito dos presidentes do Cremepe e da AMPE”, explica. Ela ainda conta que as denúncias e visitações aos postos de trabalho continuarão neste período. “Vamos realizar vistorias às unidades de saúde e encaminharemos as denúncias de postos em situação precária ao Cremepe e aos órgãos competentes”, finaliza.

Participaram da mesa da Assembleia: o presidente Tadeu Calheiros, a vice-presidente Claudia Beatriz  e o diretor Executivo, Walber Steffano, do Simepe; além do presidente André Dubeux, o conselheiro Ricardo Paiva, ambos do Cremepe; e a presidente da AMPE, Helena Carneiro Leão.

A próxima AGE dos médicos do Recife está marcada para o dia 25/01 (quinta-feira), às 8h30, no auditório da AMPE, no bairro da Boa Vista, para definir os novos rumos do movimento grevista.