Certos de que a situação não pode mais continuar no caos em que se encontra, os médicos que atendem às urgências/emergências, maternidades e rede de saúde mental do Recife voltaram a se reunir em importante quórum nesta quinta-feira (04/07). A categoria esteve em Assembleia Geral Extraordinária (AGE), comandada pelo presidente do Simepe, Tadeu Calheiros, e pela vice, Claudia Beatriz, a Associação Médica de Pernambuco (AMPE) para discutir as respostas dadas pela Prefeitura do Recife (PCR) ao pleito reivindicado e deliberar os próximos rumos do movimento.

Durante o encontro, que mostrou muito mais intensidade e força no debate das questões propostas, ficou evidente o descontentamento de toda uma categoria com a falta de condições de trabalho, infraestrutura das unidades e de ambulâncias, além do abastecimento insuficiente de medicações importantes – principalmente no setor de saúde mental. Como se não bastassem esses problemas, outras deficiências da rede foram expostas, como a falta até de macas para acomodação e remoção de pacientes, além de dificuldades com a classificação de risco nos postos de urgência / emergência, que não dispõem ainda do serviço em tempo integral, mesmo a complexo hospitalar funcionando 24h.

Ao final da AGE, os médicos deliberaram por seguir com um movimento cada vez mais intenso. Além disso, uma comissão já está sendo montada com representante destes setores de atendimento para participar da próxima reunião com a prefeitura do Recife, programada para o dia 23 de julho, às 16h. Na oportunidade, eles vão dar detalhes de como anda o dia a dia crítico nas emergências, maternidades e centros de saúde mental da capital pernambucana.

“É preciso ser justo e reconhecer que a Secretaria municipal de saúde retomou o diálogo acerca de nossa pauta e é isso que estamos fazendo. O movimento está numa crescente e já de conhecimento de todos que a insatisfação é enorme e só cessará com as devidas medidas para ajustar o caos. Por isso, vamos voltar a nos reunir com a PCR, desta vez com a presença de representantes da ponta – que poderão dar um completo panorama da crise em que os profissionais de saúde dessas áreas estão sendo obrigados a conviver. Estamos confiantes, com o apoio da classe, em conseguir uma evolução das tratativas por melhorias”, projeta o presidente do Simepe, Tadeu Calheiros.

Ao final do encontro, ficou deliberado também que Simepe continuará ratificando firmemente o posicionamento de sua base por melhorias, tanto nas mídias como nas ações nas unidades. Além disso, uma nova AGE será realizada no dia 25 de julho. O próximo encontro ocorrerá novamente na AMPE, a partir 19h.