Com a proximidade da abertura da Central de Parto Normal (CPN) da Maternidade Bandeira Filho, se torna cada vez mais necessária a recomposição da escala de plantão da unidade. Essa foi a principal pauta da reunião, realizada nesta quinta-feira (4), do Simepe, representado pela secretária-geral, Claudia Beatriz, e os diretores Tadeu Calheiros e Rodrigo Rosas com as neonatologistas da maternidade.

As médicas apontaram o crescimento do volume do serviço nos últimos meses, sobretudo nos finais de semana, exatamente onde a escala tem déficit de profissionais de longa data. Os profissionais ainda estão responsáveis pelas transferências de Recém-nascido a UTI, intercorrências. No cenário atual colegas tem dobrado plantão para cobrir escala. Além da recomposição, as neonatologistas da Bandeira alegaram também a necessidade de ampliar o número de evolucionistas, bem como ter uma equipe de transferência.

Ao final da reunião, ficou deliberado que serão enviados ofícios: a Maternidade Bandeira Filho solicitando os números dos últimos seis meses, e a secretária de Saúde do Recife solicitando uma reunião para apresentar a demanda e o pleito da neonatologia da unidade.

“Vamos fazer esse levantamento dos números da maternidade para fundamentar e mostrar que, com a abertura do CPN, a demanda aumentará ainda mais. É um pleito justo e pode ser resolvido com a nomeação imediata de três plantonistas fixos todos os dia, a garantia de reserva técnica e equipe de transferência”, ressaltou Claudia.